23 de junho de 2019

Tenho mesmo muitas dúvidas...

Normalmente não sou pessoa de acreditar piamente em sondagens ou estatísticas. Mas, diga-se, quanto a esta, estou particularmente céptica.

E sou particularmente céptica porque vivi o problema na primeira pessoa (como encarregada de educação) e como interessada (enquanto membro da comunidade escolar). Contudo, não me espanta que se chegue a esta conclusão. As escolas fecham os olhos e para manterem um estatuto de não sei o quê, nada é bullying, são tudo brincadeiras normais entre as crianças. Até acredito que, de facto, o número de casos de bullying registados pelas escolas tenha diminuído... O problema está naquilo que as escolas consideram relevante para registar...como bullying...O problema está no facto de não se incutir nas nossas crianças que a nossa liberdade termina onde começa a dos outros...O problema está na demissão, em primeira linha dos pais e depois das escolas, que querem manter estatutos e são demasiado condescendentes. É um preço que iremos pagar no futuro com adultos mal formados.

11 comentários:

  1. Acredito que o bullying tivesse diminuído um pouco, mas não tanto como afirmam. Enquanto os professores e os pais justificarem certos comportamentos como "brincadeiras de crianças", a prática de intimidação vai continuar.

    ResponderEliminar
  2. Tambem nao acredito. Alias infelizmente acho que tem aumentado. Eu fui vitima de bullying e pelo que vejo ha muito mais casos.

    ResponderEliminar
  3. Também estou céptica relativamente a estes resultados. Pode ter diminuído dado que os miúdos agora passam mais agarrados ao telemóvel do que a interagir uns com os outros. Contudo, é como escreveste, há escolas que simplesmente fecham os olhos e justificam-se perante os pais com a famosa frase "São coisas de miúdas(os)".
    Era importante perceber melhor o que é que a escola classifica como comportamento de Bullying para uma melhor interpretação destes números.
    E claro, considerar os comportamentos de Cyberbullying.

    ResponderEliminar
  4. Pois eu cá acho que cada vez estão é piores... e a estatística é aquilo que as escolas decidem, porque, tal como pretendes transmitir com este post, eles não reportam tudo. Temos um grande problema em admitir que a violência e a intimidação NÃO são aceitáveis. NÃO é normal só pq são crianças. É mudar mentalidades que faz falta...

    ResponderEliminar
  5. Manipular números e estatística é tão fácil!!
    Boa semana

    ResponderEliminar
  6. A maioria das escolas tem este problema: desvalorizar a parte emocional das crianças. Considerarem que é tudo normal entre crianças..e depois, no caso da escola do meu filho mais velho, a forma como os profissionais lidam com alguns "problemas" ditos normais entre eles. Ainda bem que entraram de férias..eu e os meus filhos estávamos a precisar!! Beijinhos!

    ResponderEliminar
  7. Também não acreditamos que tivesse baixado tanto. As escolas devem informar o que lhes convém para as estatísticas.
    :(

    ResponderEliminar
  8. As estatísticas alteram-se conforme a necessidade das escolas.
    Abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  9. Também tenho sérias dúvidas...

    www.amarcadamarta.pt

    ResponderEliminar
  10. Duvido muito. Muitas crianças já nem se queixam, apenas se isolam e tenho alguns casos por aqui! Mas os Pais pouco se importam! Enfim

    Resolvi voltar aos poucos, agradecendo todo o apoio e carinho que me têm endereçado. Peço desculpa por ser mensagem “ copy past” mas só assim posso “ chegar a todos” porque o merecem. Obrigada!
    .
    Soltando aquela criança, enquanto deambulava
    Beijos e um excelente dia.

    ResponderEliminar
  11. Tal como tu, este estudo também me deixa com a pulga atrás da orelha. E sim, não poderia estar mais de acordo contigo quando questionas o que será que as escolas consideram como bullying. Conheço histórias que nunca chegaram às entidades superiores das escolas, os próprios pais reoslveram a situação mas isso não me parece ser o mais correto.
    Ainda ontem conversava com o meu sobrinho que em setembro entrará para o 5º ano, mudando assim de escola, e pelo discurso dele, já foi perceptível que ele acha que lhe vão bater na nova escola, que os mais velhos vão gozar com os mais novos. O miúdo ainda nem lá chegou, ainda nem conhece bem a escola e já diz isso. Preocupante!

    ResponderEliminar