E, porque não?

Se criminalizaram o piropo (nada contra), porque não criminalizam a conduta de quem diz palavrões??? Como boa mulher do norte, não digo que não me saia um, em momentos de desespero como quando entalo um dedo ou coisa do género, no entanto, digo-os entre-dentes e resguardada. Confesso, confesso que me incomoda ir no meio da rua, sobretudo se for com as minhas filhas pela mão, e ouvir a toda a hora falar explicado em ferva-se, carvalho, meretriz para trás, meretriz para a frente. Acho que se os trabalhadores da construção civil não podem importunar ninguém com as suas baixezas, também o cidadão comum não devia ser obrigado a ouvir a toda a hora este palavreado.

23 comentários

  1. Detesto palavrões, detesto mesmo, é daquelas coisas que me deixa mesmo incomodada...eu não digo palavrões, acho que em 28 anos de vida se disso um ou dois, e muito entre-dentes, foi muito...mas conheço pessoas que não terminam uma frase sem dizer um palavrão pelo meio e isso incomoda-me imenso...

    ResponderEliminar
  2. Digo alguns palavrões, não a toda a hora, mas há alturas em que me saem. Mas, segundo essa ordem de raciocínio, o teu ponto de vista tem toda a lógica!

    ResponderEliminar
  3. Palavrões? Oiço-os com frequência quando estou em determinados lugares públicos, como a rua, por exemplo, quando passam por um grupo de jovens e menos jovens. Os jovens gostam de usar palavrões quando conversam entre si. Não se vão enibir por eu passar. Nem se apercebem que passo. Não me incomodam. Depende do ambiente e do contexto. Evidentemente que se um grupo de jovens está comigo, não vai proferir obscenidades. Uma sociedade sem palavrões é uma sociedade utópica. : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas dizê-los em público, um chorrilho deles deveria ser castigado. É tão repugnante e como ouvir piropos dos senhores da construção civil.

      Eliminar
    2. Concordo que pode ser muito constrangedor para algumas pessoas, mas há coisas muito piores.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Este mini-comentário era para o outro post.

      Eliminar
  5. Como a Catarina diz, eu acho que seria um bocadinho utópico ... já para não falar que em determinados eventos, como por exemplo os jogos de futebol, seria complicado ter mãos em todos os infratores! :)

    ResponderEliminar
  6. Concordo com o teu ponto de vista mas como já comentaram aqui em certas situações, como jogos de futebol, é complicado conter os palavrões quando alguém faz alguma coisa de mal.

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi como proibir o fumo nos cafés...era impossível, mas foi uma lei que se implementou bem.

      Eliminar
    2. O fumo nos cafés afeta a saúde dos fumadores e dos não fumadores. Não se pode comparar com obscenidades.

      Eliminar
  7. Não sou pessoa de dizer palavrões e, como tal, também não gosto de os ouvir. Por isso, gostava que criminalizassem a conduto de quem os dissesse, mesmo sabendo que isso seria praticamente impossível...

    ResponderEliminar
  8. Vai da mentalidade de cada um, ou do sitio onde nasceu e vive, proibir isso tudo será quase que impossivel.

    ResponderEliminar
  9. Digo ass Minhas palavras feias tb e espero nunca ser presa por isto. Outros males piores andam por aí e a gente aguenta
    Kis :=)

    ResponderEliminar
  10. Concordo plenamente. também sou uma mulher do norte e como tal estou habituada a ouvi-los com muita frequência e a dize-los também.
    A verdade é que antes não tinha esse hábito, ou quando ele saia era em casos identicos aos que descreves acima e sempre só para mim. Depois fui trabalhar para um local onde as pessoas usavam muitas vezes os palavrões e a verdade é que se entranhou e agora o mesmo sai com mais facilidade do que anteriormente. Felizmente já controlo o uso destes nomes menos bonitos.
    Isto tudo dizer que se meio mundo parar, a outra metade não os vai dizer porque não os vai ouvir nem ficar com eles entranhados nos ouvidos!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  11. E ditos por jovens imberbes que nem idade têm para saber o que estão a dizer? Vulgarizou-se esta forma grosseira de expressar vocábulos.Haverá situações, onde seja difícil ( um jogo de futebol, por exemplo- concedo)controlar este tipo de palavreado, mas na rua? Ao ar livre, onde todos somos obrigados a partilhar a grosseria individual?
    Em casa, cada um fará como entender. Agora em espaços públicos...concordo que não é nada agradável. Agora, conseguir criminalizar esse tipo de conduta, já me parece difícil.
    Bom ano de 2016.

    ResponderEliminar
  12. Nunca tinha pensado no assunto dessa forma....mas tem lógica o que dizes...

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  13. eu acho que eles deviam preocupar-se mais com outras coisas.....multar o pessoal que leva os cães à rua e não apanha os dejetos, pessoas que roubam os serviços de outras (gás, televisão etc), multar quem não paga condominio, quem não pinta os prédios, lixo pelo chão, gritos e violencia domestica....tanta coisa.....

    ResponderEliminar
  14. Tens razão :) mas não estará já isso englobado naquele conceito de atentado ao pudor? :P Não faço ideia... mas acho que sim.

    ResponderEliminar
  15. Não acho normal criminalizarem os piropos.
    É verdade que há uns ofensivos e quase não se pode andar a mostrar a perna mas... criminalizar?
    Qual é a probabilidade de alguém ir à polícia fazer queixa? E comprovar que de facto o piropo foi dito por este ou aquele?

    Essas das asneiras, Deus me livre de virar crime. É que ando sempre com elas na boca =P

    Beijocas

    ResponderEliminar