quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Gostava muito...

Nunca passei por uma situação de divórcio ou de separação de uma união de facto. Espero não passar, mas estou sujeita como todos estamos.
Agora que trabalho na área das crianças e da família, apercebo-me cada vez mais, quando falo com uns e outros, que muitos pais e muitas mães olham para os filhos como propriedade sua...Umas vezes como forma de atingirem o outro adulto, numa separação não aceite. Mas, a maior parte das vezes, as mulheres, porque os trouxeram no seu ventre, defendem convictamente a desnecessidade de contactos com o outro progenitor. Tudo, claro, em prol do seu umbigo e em prejuízo das crianças.
Gostava muito que percebessem que apesar de sermos pai ou mãe, os filhos que chamamos de nossos, não são verdadeiramente nossos. Não servem para satisfazer as nossas necessidades de afecto. Nós é que existimos para isso e para os preparar para serem adultos felizes.

11 comentários:

  1. Sim, tudo muito bonito mas em teoria. Acredito que deva ser muito complicado aplicar essa mesma teoria, pelos casos que conheço, que também não tenho experiência nessa área.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Este artigo diz-me muito, mas, não ter sapiência para o comentar. Tudo porque, embora tenha conseguido tirar uma criança que, não tem culpa de ter vindo ao mundo, (através de uma traição)...passado, e tendo aceitado, couve-me presar pelo seu bem estar, tendo uma infância normal como todas as outras. isto para dizer que fui para a sua mãe, a ovelha ranhosa por ter conseguido retirar a criança da porcaria e da miséria. Isto porque, o abono de família fazia-lhe mais jeito, para tabaco. Porque desde então, esqueceu que a filha existia. Sinceramente, um descanso para nós três.

    A minha vida podia der acabado em divorcio, por causa desta criança, sem culpa. Mas uniu-nos.

    Beijinhos, e desculpa o desabafo, mas tu sabes de tudo.

    ResponderEliminar
  3. Concordo contigo. As crianças não são armas de arremesso.

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente as crianças são quase sempre usadas como armas de arremesso contra o ex-parceiro.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente, acabam por usar as crianças e não percebem o quanto isso as prejudica!

    ResponderEliminar
  6. Muito menos podem ser instrumento de chantagem entre cônjuges desavindos.

    ResponderEliminar
  7. é pena que as crianças acabem por ser usadas em situações de conflito do casal...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  8. Eu passei por uma situação dessas e meus filhos tinham 8 e 9 anos!
    Eu e o pai conseguimos sossegar os seus corações e ainda hoje se convive muito bem!
    Mas lamento quem use os filhos como arma de arremesso!
    Obrigada pela visita

    ResponderEliminar
  9. muito bem dito, vou apontar essa ultima frase tua!
    importante as pessoas terem essa consciência!

    ResponderEliminar
  10. Infelizmente acho que isso é muito difícil de acontecer. Haverão sempre pessoas a pensar dessa maneira tão distorcida e fora da realidade, sem consciência do que é realmente importante (o bem dos que mais amam, supostamente).
    Eu, filha de pais separados, bem sei o que é e é incrível o que as pessoas são capazes de fazer, principalmente sendo pais, que deveriam ser os primeiros preocupados com isso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Gente egoísta, apenas e só. Pessoas que nunca deviam ter sido pais
    Beijo! Adorei o blog

    ResponderEliminar