terça-feira, 11 de outubro de 2016

Pessoas...

Sou nascida e fui criada numa terra onde saudamos as pessoas com um "bom dia", "boa tarde" ou "boa noite", quando com elas nos cruzamos, mesmo que não sejam nossas conhecidas.Aprendi a ser assim sem que ninguém me ensinasse, talvez porque os outros que passavam por mim, mesmo quando eu era uma catraia, o faziam.
Já as minhas Minis, por vezes, aqui nesta terra a sul, perguntam-me se conheço determinada pessoa só porque passo por ela e a cumprimento...tento incutir-lhes o mesmo hábito de cumprimentar as pessoas.
Mas, 14 anos a morar na mesma cidade já me ensinaram que muitas pessoas fingem que não ouvem, ou pura e simplesmente não ligam. Já não me afecta nada. Sigo.
O que me irrita mesmo, são aquelas pessoas que tomam café diariamente no mesmo local que eu, almoçam sempre na mesa do lado, e não respondem ao meu cumprimento geral quando chego ao local durante séculos, até que, um dia precisam de um esclarecimento qualquer da minha área profissional, e, aproveitam o café matinal ou o almoço, para, fingindo uma intimidade inexistente, uma simpatia forçada, pedirem a minha ajuda....



14 comentários:

  1. Como te entendo!
    Tenho casos, até de irmãs minhas que, depois do meu acidente, só porque me afastei de meio mundo( Só Deus e eu é que sabemos), e deixei de ser a " burra de serviço" que na minha casa era sempre festas e mesas cheias. Como tudo o que me aconteceu, afastei-me, mas nunca fechei a porta a ninguém, mas claro as festas acabaram, por não haver alegria e estar revoltada com muitas coisas. Pois tenho pelo menos duas que não me ligam e moram pertinho. Uma delas, só se lembra que existo quando precisa que lhe fique com o filho. Nunca me nego, mas fico triste.
    "Saber que lhe matei a fome a ela e às filhas enquanto processo de divorcio. O que mais de doía era saber que não tinha dinheiro para comer, mas chegava a casa dela para lhe dar alimentos e ela estava de cigarro na mão com a maior descontracção." (isto pouco antes do meu acidente)...Pois desta pessoa nunca recebi ajuda quando tive o acidente. Não fossem primas e Tia, era como se não tivesse irmãs. As outras estavam mais longe.
    Isto poderá não ter nada a ver com o teor do teu post. Mas é como dizes, quando precisam aproximam-se com a maior lata.

    AMIGA DESCULPA O EXTENSO COMENTÁRIO. FOI UM DESABAFO

    Beijinho grande

    ResponderEliminar
  2. Se há coisas que me irritam essa é uma delas. Para mim é falta de educação não responder a um cumprimento, mas há imensa gente assim...

    ResponderEliminar
  3. Se fosses mazinha, respondias assim: boa tarde. Sorrias e voltavas à tua comidinha, que merece muito mais atenção do que as pessoas que agem assim.

    ResponderEliminar
  4. E, nesses momentos, diz-se, com toda a calma e educação, "desculpe mas recorde-me o seu nome. Se é que alguma vez mo disse..."

    ResponderEliminar
  5. isso é assim com os meus vizinhos, já desisti ficava frustrada
    com tanto cumprimento e ninguém me ligava nenhuma!!

    ResponderEliminar
  6. Eu insisto em ser educada, apesar dos rudes desta vida.

    ResponderEliminar
  7. É ... normalmente as pessoas sabem sempre quem somos e o que fazemos quando precisam . Porquê , não é ?
    Não é mais fácil ser educado e simpático com olhares que se cruzam tantas e tantas vezes ?
    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Eu moro numa localidade que, em 1973, quando vim para cá, era quase uma aldeia, apesar de ficar a 2 Km do limite de Lisboa. Quase toda a gente dava a saudação e mesmo hoje, os mais antigos ainda nos cumprimentamos. Mas o sítio cresceu muito e tornou-se num dormitório da capital. É impossível entrar num estabelecimento e conhecer tanta gente e o hábito foi-se perdendo. Mas aqui na rua todos nos conhecemos e como moro no cimo da rua, que não tem saída, ainda nos pomos à conversa com os vizinhos, como na província.
    Gosto de morar aqui e não me imagino num desses bairros modernos aqui ao lado, onde as pessoas se comportam como se fossemos de uma raça diferente...

    ResponderEliminar
  9. Havia um velhote no meu prédio que saudava toda a gente, e ficava muito aborrecido se não lhe respondiam.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Eu também falo sempre e também muitas vezes sou ignorada. Realmente mais vale não ligar.

    Beijocas

    ResponderEliminar