A mais difícil...

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016
Não me posso queixar muito da vida...E não me posso queixar muito porque a luta mais inglória que tenho travado nos últimos tempos é contra a pediculose...sim contra os piolhos. Já vamos no 4º tratamento, já usamos champô com insecticida e continuamos as três infestadas.
Bem sei que não devo ter vergonha porque, ao contrário do que se pensa, os piolhos gostam de cabeças lavadas e bem tratadas, ou seja, não são sinónimo de falta de higiene...Seja como for, é muito muito incomodativo, tenho a cabeça cheia de pequenas crostas, de me coçar com unhas grandes.
Só espero que desta vez, não seja como há dois anos, em que andei mais de 6 meses para me livrar deles.
Só o pai (talvez pela escassez) de cabelo não apanha.



8 comentários

  1. Há uns três anos atrás andei uns dois meses até conseguir dar fim aos bichos (maleitas de se trabalhar com pequenotes). E só consegui acabar com eles depois de cortar o cabelo. Tinha-o pelo meio das costas e ficou pelos ombros. Desde esse dia penteio-me sempre no banho com o pente dos piolhos. Assim se tiver alguma coisa ataco-a logo!!

    Boa sorte com essa luta ;)

    ResponderEliminar
  2. Olha que chatice. Isso incomoda mas incomoda...

    Beijocas

    ResponderEliminar
  3. Já começam outra vez? Nem sei que diga, Tenho que tomar atenção à cabeça de Beatriz, apesar de lhe passar o pente miúdo no banho uma vez por semana, Mas nunca se sabe.

    Beijinhos amiga

    ResponderEliminar
  4. Nada que uma boa tesourada rente, capaz de fazer um corte à rapazinho, não resolva. Hum, não animei grande coisa, pois não? =P

    ResponderEliminar
  5. Não ajudará nada, mas estou para a mesma...pente, remédio e o raio a sete!
    Vida dura a de mãe

    ResponderEliminar
  6. Que caraças! Sei que a minha sogra tratou uma neta com um pente daqueles fininhos...

    ResponderEliminar
  7. Lembro-me bem de ter quando era mais nova e na altura acho que também demorei mais de meio ano a livrar-me dos piolhos! E dependendo do tipo de cabelo, há histórias que não se revelam mesmo nada fáceis. Força nisso!

    ResponderEliminar