28 de novembro de 2019

Quando se perde um Homem Bom...

Por mais que, como católica e cristã, veja a morte como uma transição e não como um fim, não consigo deixar de lado um sentimento de que parte da minha história se perdeu ao ter visto descer à terra um dos homens que mais amo e, talvez, o mais íntegro ser humano que conheci.
Não consigo parar as lágrimas quando diante dos meus olhos passam as imagens vivas de toda a protecção, afecto e alegria que me deu.
Resta-me a alegria de saber que lhe disse muitas vezes o quanto era importante para mim e o quanto o seu exemplo contribuiu para eu ser como sou hoje.
Fui e sou uma abençoada por me ter na minha vida um pai extraordinário (ainda junto de mim) e um tio, que apesar de o ser apenas por afinidade, tinha comigo uma ligação para lá dos laços de sangue.
Resta-me a mágoa de me ter deixado levar pela correria da vida e pelos quilómetros que nos separavam nos últimos tempos e não ter estado mais tempo fisicamente junto dele.
Da sua morte, 2 dias antes do dia em que o ia visitar, retiro a grande lição, sentida na pele, que esta frase do António Feio traduz.


7 comentários:

  1. Ai!
    Agora fiquei triste...Foi "Aquele Tio" de que me falavas?! Os meus sinceros pêsames e muita força.

    Paz à sua Alma!🙏
    Beijinhos com carinho.

    ResponderEliminar
  2. Também perdi um amigo esta semana e ainda não consigo acreditar, muito menos aceitar!!!

    ResponderEliminar
  3. Porque sei que em determinados momentos as palavras de pouco servem para aquietar a dor que nos rasga o peito, deixo um abraço solidário.

    ResponderEliminar
  4. Que ele seja sempre luz na tua vida.
    Um grande beijinho solidário.

    ResponderEliminar