Todos à espera...

E, mais uma vez, cá está o país ansioso, querendo saber quais as medidas que estarão incluiídas no novo confinamento. Muitas pessoas sabem, de antemão, como o comércio e os serviços não essenciais,que não permanecerão em funcionamento. No caso do serviço onde trabalho a dúvida mantém-se. E, sabem que mais? eu estou rezando para que se mantenha em funcionamento. Na verdade, quando regressei em Maio de 2020 tinha o trabalho imensamente acumulado e não sabia para onde me virar. Trabalhei, pelo menos, dez dias das minhas férias pessoais para conseguir alguma normalidade no andamento do serviço. Confesso que não me apetece fazer o mesmo em 2021. Ter que me deslocar ao local de trabalho e não me ficar apenas pelo teletrabalho - a que tenho recorrido quando a permanência no edifício não é imprescindível - dá- me uma sensação de normalidade. Espero também que as escolas continuem abertas, pois que já vimos que, se por um lado, as escolas não são grande foco de contágio, por outro lado, garanto-vos que por muito que seja o esforço de todos os envolvidos, a aprendizagem acontece melhor no estabelecimento de ensino. Isto sem falar nas consequências que, em termos de saúde mental o confinamento traz às crianças. Aguardemos serenamente ...

4 comentários

  1. se o comentário do marques mendes fosse à 3ª ou à 4ªf já saberíamos. ehehe fora de brincadeiras, eu gosto tbm de ter uma rotina, sair de casa, estar no local de trabalho, tendo a segregação física do local de trabalho e de local de lazer.

    ResponderEliminar
  2. Concordo na integra com o teu texto!
    Deus me livre e guarde se as escolas fecham. Acho que da forma como estão a funcionar-pelos menos aqui-estão mais ou menos em segurança. Para as crianças é muito mais proveitoso. Agora, eu já vi em Albergaria jovens fora da escola aos beijos, lá pelos recantos escondidos. 14/15 e mais anos. Depois pagam todos.
    .
    **
    Obrigada à vida...
    *
    Beijo, e uma noite feliz e quentinha!

    ResponderEliminar
  3. No 1º confinamento estava a trabalhar e foi tudo um desconhecido, mas consegui ficar em teletrabalho e não sentir diferenças no ritmo de trabalho. Agora estou desempregada há 2 meses, então nem sinto diferença se estou ou não confinamento (infelizmente).

    ResponderEliminar