segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Muito orgulho...

Muito orgulho é o que eu sinto da minha Mini mais crescida. Tem grandes discussões com o pai sobre a escolha do cão que fará parte da família daqui a uns tempos...Eu concordo em absoluto com ela, mas como é ela que vai ser a responsável pelo patudo, não a quero influenciar. Gosto muito de uma raça que conheci há relativamente pouco tempo: o Cavalier King Charles, mas sou sensível aos argumentos dela.
As discussões são sempre entre dois tópicos: escolher um cão de raça pura entre várias que o pai lhe propõe e está disposto a pagar (que são as preferidas dele)...e ir buscar um cão abandonado...O meu orgulho vem do facto de ninguém a convencer...ela quer ir a um canil e pronto... e quer porque, do alto dos seus dez anos, pensa que, embora ambos sejam dignos do seu amor, o do canil precisará muito mais dele.


24 comentários:

  1. Concordo com a pequena :)
    Vais ter aí uma grande mulher!

    ResponderEliminar
  2. Olha que a Menina terá a sua razão. Lool Ando a precisar de arranjar um, mas, por outro lado, se de de repente precisar de veterinário, não tenho condições. De hoje em dia até para ter um cão temos que ter condições.

    Força M :-)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Alguém tem feito um bom trabalho com ela :) Parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Tens toda a razão para ter orgulho ;) é sinal que lhe passaram bons valores.

    ResponderEliminar
  5. Orgulho mesmo! Não é todos os dias que uma criança tem essa sensibilidade. É uma menina com bom senso, fará um quatro patas abandonado feliz. E eu fico muito feliz por saber disso :) Todos os meus animais são do canil ou que foram resgatados da rua (incluindo raças puras!) e eu sou uma sortuda por tê-los na minha vida.

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. Ora aí está algo que nem os adultos por vezes fazem: ir a um canil escolher um animal em vez de dar um balúrdio por um.

    ResponderEliminar
  7. E as crianças têm sempre razão com todo o amor que transbordam :)

    ResponderEliminar
  8. Há que dar-lhe ouvidos! Tem os princípios e valores muito bem definidos! :)

    ResponderEliminar
  9. Sensível e com certeza que com excelente educação...

    ResponderEliminar
  10. Como a entendo!
    Meus filhos ... pequenos ... adotaram uma rafeirita bebé e eu criai-a durante 17 anos!!! Uma amiga que me deixa tanta saudade!!!bj

    ResponderEliminar
  11. Concordo com a tua pequena e acho que é uma bonita lição!

    ResponderEliminar
  12. Eu acho que terão que prescindir de um "raça pura" e fazer-lhe a vontade !

    ResponderEliminar
  13. E ela tem toda a razão!! Menina inteligente, de grande coração e bons princípios!
    Um orgulho mesmo!

    ResponderEliminar
  14. É um motivo de fato lindo que deva se orgulha imenso !!! bjucas

    ResponderEliminar
  15. tao fofa!!
    no meu ponto de vista ela tem razao!!
    bjos :)

    ResponderEliminar
  16. Elas (as crianças) são seres pensantes, tem personalidade e ideias. Sentem... Claro, nenhuma novidade nisto que escrevo! Mas por vezes julga-se que, por serem muito novas, não podem pensar melhor que um adulto e racionalizar de forma «crescida». Quando o fazem, surpreendem os adultos.

    Acho que ela quer amar essa canídeo por vários motivos. e louvo que queira amar um animal que foi rejeitado ou teve pouca sorte... E que isso a faça ainda desejá-lo mais.

    Infelizmente e sem querer meter azar nesse sonho, oiço por vezes dizer que são animais que vivem poucos anos, devido a algumas doenças mas duvido que tenha muito fundamento. Muitos são abandonados pela doença, é verdade. Mas todos nós temos mazelas a vida toda e não morremos delas... E se tal vier a acontecer, faz parte da vida. Cresce-se e aprende-se.

    Eu tive um cão com a mesma idade dela. Uma das primeiras coisas que meus pais insistiram em me dizer e repetir assiduamente, foi que o cão ia viver no máximo dois anos. Pois os cães morriam cedo e não durava mais que cinco. Centraram-se tanto na MORTE do animal que quase me impediram de usufruir da vida dele. Acho que me queriam mentalizar para a perda mas só me chatearam por não se calarem com isso e quererem traçar o destino mais que deus. Seria o que tivesse de ser. Eu estaria preparada - Era a minha postura. Um dia era ele ainda cachorrinho tive uma forte sensação que ele ia viver 14 anos. E disse-o em voz alta, uma vez, convicta. Fui gozada. A partir daí sabia que podia ser a qualquer altura mas continuava a sentir aquela convicção. Aos 8 anos meus pais garantiram que o cão não passava dessa idade, porque já era muuuuito velho. E daí adiante só sabiam falar da morte do animal. Bastava ele ter uma doença, soltar uma bufa mais mal cheirosa e pronto: vinham dizer-me para me preparar para o inevitável. Dias antes de fazer os 15 anos de vida, ele faleceu. Até hoje me doi não a perda, que dessa recupera-se. O não ter feito o que queria - estar presente para o ver partir e lhe ter feito companhia até se ir. Isso é que me incomoda até hoje.

    Numa nota mais alegre, acho bem que adoptem um animal de estimação, é que não são só as crianças que adoram, os adultos também e é uma adição especial à família, um novo elemento. Parabéns e depois conta o que ficou decidido :)

    ResponderEliminar
  17. Não gosto mt de saber que as pessoas compram animais, com tantos por ai abandonados, mas cada um é que sabe... e se é para ela, ela que escolha bem :)

    ResponderEliminar
  18. Que grande lição! Não se perde em vaidades mas sim no amor que tem para dar. É mesmo mais que motivo para estares orgulhosa!

    ResponderEliminar
  19. Um motivo de grande orgulho! Nunca daria dinheiro algum por um animal!

    ResponderEliminar