Não me espanta...mas preocupa-me!

Ao que parece, um relatório efectuado pelo Ministério da Educação tem, entre as suas conclusões que, entre 2009 e 2015, mais que triplicou o número de crianças e jovens que estão medicados com Metilfenidato, mais conhecido por Ritalina, sendo que há turmas onde cerca de metade dos alunos toma, por indicação médica, tal substância. 
Esta conclusão não me espanta. Trabalho na área de apoio à família e crianças e são inúmeras as vezes em que os pais me referem que os filhos estão medicados com tal medicamento. Apesar de não me espantar, preocupa-me profundamente. Sobretudo, porque acho, tal como muitas pessoas que trabalham na área , que, mais que uma questão de moda, é um problema que tenderá a agravar-se, e que tem muito que ver com a falta de paciência, com a "demissão" em relação às responsabilidades parentais por parte de muitos pais e com a necessidade de os professores (cansados da confusão e do mau comportamento nas salas de aulas) de captarem a atenção dos alunos da forma mais fácil e cumprirem as metas curriculares que lhes são impostas.
Sou muito imperfeita enquanto mãe, perco muitas vezes a paciência, grito muito e, às vezes bem que me apetecia ter um super poder para poder fazê-las estar sossegadas. No entanto, quando me sinto mais agitada, faço coisas como caminhadas e meditação. O Reiki tem sido uma arma poderosíssima, na luta contra alguma instabilidade. A mais nova tem um feitio "levado da breca" como se diz na minha terra. Por vezes, é desesperante! Mas nunca me passou pela cabeça (nem o pediatra me sugeriu, perante as minhas queixas) dar-lhe qualquer medicação para fazê-la sossegar.
Estou muito preocupada!!!


16 comentários

  1. Subscrevo tudo o que dizes. A prescrição desse medicamento tem sido feita sem muita consciência. Exceptuando os casos em que é realmente necessário parece que, hoje em dia, não querem deixar as crianças serem isso mesmo: crianças.

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente parece que cada vez mais as pessoas estão a ficar "doidas". Tal como tu, sou contra esse tipo de atitudes. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. As crianças muito ativas, com dificuldade em concentrar-se, são muito disruptivas na classe. Com 22 ou 25 alunos por turma a professora terá alguma dificuldade em proporcionar instrução individualizada durante um determinado período de tempo se não tiver uma assistente na sala de aula. Evidentemente, se houver 2 crianças com TDAH, o problema fica duplicado em detrimento dos outros alunos.
    Compreendo que há a tendência de classificar imediatamente uma criança muito irrequieta com transtorno de défict de atenção e hiperatividade. Por isso, existem os profissionais nas escolas para os avaliar e confirmar ou não este problema... oficialmente. Uma professora com experiência de alguns anos deteta facilmente este transtorno.

    ResponderEliminar
  4. Ainda um dias destes estivemos em família a falar nessa situação. Que exista uma ou outra criança que precise de tomar, eu até acredito. Mas tantas, como tenho ouvido falar, já começa a ser estranho....



    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  5. É de ficar preocupada mesmo. É claramente exagerado o número de crianças medicadas. O efeito que tal terá no seu futuro e no da sociedade em geral, só o tempo o dirá... :|

    ResponderEliminar
  6. É realmente preocupante, a minha irmã chegou a tomar Ritalina porque não conseguia tomar atenção e ficar sossegada nas aulas. Ela odiava e chorava que parassem de a obrigar a tomar, de manhã parecia que nem sequer estava neste planeta, uma múmia autentica, super apática. Parou de tomar, isso nunca foi solução para nada, continua igual a ela mesma... e ainda bem!

    ResponderEliminar
  7. Pois, acho que se banalizou demasiado isso. Há crianças que precisam, mas acho que se diagnostica o défice de atenção e a hiperactividade com muita facilidade...

    ResponderEliminar
  8. Que espécie de adultos irão ser um dia essas crianças?

    ResponderEliminar
  9. Hoje, aqui no Brasil comemoramos o dia de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil e o dia das crianças.
    Vim para lhe deixar um abraço, com esse pensamento.
    Nunca deixe a criança que existe dentro de você desaparecer, porque um pouco de inocência é bom .Se quer permanecer jovem, só tem um jeito, conserve viva a criança que existe dentro de você, um coração cheio de amor, se interesse pelas coisas que acontecem, perdoe, se alegre com as mínimas coisas, esqueça as ofensas, as tristezas e as quedas, sorria mais, tenha sempre um coração disposto a amar, abraçar o mundo inteiro, um coração que não se apequena e não se esfria.
    Enquanto conservar calor no coração, a alegria de viver, não envelhecerá.
    Que Nossa Senhora Aparecida lhe cubra de bênçãos e que essa criança que existe dentro de você permaneça viva e feliz. Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderEliminar
  10. Transformam os putos em zombies, caramba!
    Bfds

    ResponderEliminar
  11. Hiperactividade é muito mais do que crianças mal comportadas!!!! O meu irmão tem e agora em adulto é algo já controlado sem qualquer medicação. Chegou a tomar durante uns meses mas não gostava então retirou-se mas no caso dele nem era ele ser mal comportado. Sim é agitado mas tinha repercussões na escola não porque não aprendia mas porque quando ia fazer testes podia ter 100% ou 30% dependendo do dia.
    Ele decidiu que se tinha de viver com aquilo, porque a medicação é tomada apenas durante o período de aulas (fins-de-semana, férias e após 8h já não fazia efeito), que preferia começar a tentar lidar com o problema sozinho, meteu-se em vários desportos, reduziu as horas de pc e tv trocando por leitura, demorou mas agora está minimamente controlado...
    Ah e os meus pais foram a vários especialistas porque não o queriam medicar e adiaram a decisão imenso tempo...

    ResponderEliminar
  12. É caso para ficar muito preocupada!

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  13. Mais uma vez, não tenho filhos e por isso não gosto muito de falar.
    Mas o problema também é da sociedade, que não se pode dar uma palmada no rabo dos miúdos que nos saltam logo para cima e tudo mais...
    Percebo que, para os "controlar", comecem a dar-lhes comprimidos e tudo mais.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  14. Trabalho com centro de estudo e na minha sala, posso dizer que cerca de 70% dos miúdos tomam medicação, seja Ritalina ou outra. Ainda no outro dia comentei com a minha colega o quanto assustador isso é. São miúdos com muitas limitações em termos de aprendizagem, concentração, ritmo. Mas claramente o molde escolar atual não está preparado para estes miúdos que não acompanham o que se chama de "padrão normal". São as notas que contam e a matéria tem que ser dada, quer se perceba ou não. Os miúdos estão nas aulas e nada do que estão a ouvir faz sentido,porque há tantas lacunas de base que me preocupa seriamente que tenhamos tantos alunos que precisavam urgentemente de num sistema de ensino adaptado à realidade específica de muitas crianças.

    ResponderEliminar