Por causa de uns...

Sempre fui uma pessoa solidária. No tempo e no dinheiro. Sempre dei e me senti bem com isso.
Com os anos, comecei a ter tempo só para alguns, embora com um leque abrangente de pessoas que leva a que a minha família próxima, por vezes reclame por eu ser a consoladora dos aflitos.
Ultimamente tenho dinheiro para poucos, muito poucos, excepções, talvez! Hoje de manhã, no café do costume, um jovem vendia calendários para apoiar crianças desfavorecidas. Em outros tempos, faria uma análise sumária (se bem que falível) dos aspectos que me levassem a concluir, ou não, pela veracidade do pedido e, caso me parecesse minimamente sério contribuiria. Hoje, não fui capaz e, como eu, mais umas quatro ou cinco pessoas que dividiam o balcão comigo. Por muito que o jovem pudesse parecer credível, apoderou-se de mim a desconfiança de que estaria a agir em proveito próprio. Depois de umas quantas reportagens sobre o real destino dos cinco euros com que tantas vezes contribuímos para ajudar esta e aquela causa a troco de um boneco, de um porta-chaves ou de outra bugiganga qualquer, raramente dou o que quer que seja nestas situações. Não que me tenha tornado insensível às causas, mas porque duvido sempre sobre o fim por detrás do pedido.
Acabei de ler sobre suspeitas de peculato e abuso de poder na Fundação "O Século", fundação que faz um trabalho excelente com miúdos e graúdos. Depois dos escândalos da "Raríssimas" e o anterior da "Cáritas", já não sei em quem acreditar. Já poucos me parecem sérios...a mim e ao comum dos cidadãos! Paga o justo pelo pecador!

13 comentários

  1. Infelizmente, é mesmo isso que acontece...

    ResponderEliminar
  2. Há algum tempo que deixei de dar dinheiro, para causa nenhuma! Outras coisas - roupa, comida, etc - eu dou com todo o gosto mas apenas quando sei onde vão realmente parar. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. É tão triste, mas a verdade é que essas notícias só nos deixam desconfiados. E, por vezes, acaba por pagar quem menos merecia

    ResponderEliminar
  4. Dou-te toda a razão! Deixei de dar para nada. Para bombeiros apenas e mesmo assim!

    Beijos e um óptimo Ano

    ResponderEliminar
  5. Já há muito tempo adoptei a postura de dar a quem vejo, a quem está próximo.
    BFDS

    ResponderEliminar
  6. É verdade... por isso decidi apadrinhar uma criança e vou vendo o desenvolvimento dele, assim sei que é dinheiro bem usado!

    ResponderEliminar
  7. Infelizmente é mesmo o que acontece, é muito triste!

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  8. Totalmente de acordo, infelizmente por uns pagam os outros.
    Eu virei-me mais para as instituições dos animais, como há menos ajudas e nem sequer têm apoio do Estado eu gosto de as ajudar, mas tenho uma regra: não dou dinheiro, apenas em géneros como comida.

    ResponderEliminar
  9. Querida Maria do Mundamiga

    No essencial subscrevo o teu excelente texto. Só que gosto de viver muita gente.

    Qjs do Natal, do Ano Novo e do Dia de Reis do te amigo
    Henrique, o Leãozão

    tenho forçosamente de te explicar o motivo da minha longa ausência: Tive uma recaída da bipolar durante quase um ano e começada em Goa! tenho um irão com um cancro em fase terminal! Eu próprio Há cindo dias baixei ao Hospital de Santa Maria com uma pneumonia agravada. Resultado. estive lá oito dias até que me deram alta. Arreporra que é demais


    ResponderEliminar
  10. É que doar precisa de um atenção mais cuidada por parte de quem o gosta de fazer!
    ...
    Ontem mostrei um belíssimo conjunto megalítico:
    https://crocheteandomomentos.blogspot.pt/2018/01/conjunto-escultorico-megalitico.html

    Hoje … e para comemorar o Dia de Reis … uma partilha gostosa:
    https://ospetiscosdagracinha.blogspot.pt/2018/01/bolo-rei.html

    Especialmente para si … um belo de um fim de semana!!!

    ResponderEliminar
  11. Também deixei de doar na rua pelas mesmas razões!
    Beijinhos e bom ano xx

    www.catmorais.com

    ResponderEliminar
  12. Infelizmente, o efeito contágio é incontornável.
    Mas não podemos desistir de fazer a nossa parte...

    ResponderEliminar