O que é que esperavam?

Ouvi hoje, algures, que, das provas de aferição realizadas pelos alunos do segundo ano do ensino básico se pode concluir que as crianças portuguesas com 7/8 anos, apresentam dificuldades motoras, sendo que muitas delas não sabem sequer saltar à corda.
Não fiquei nada surpreendida. Primeiro, porque foi um trabalho hercúleo ensinar a minha filha mais velha a saltar à corda por volta dos seis anos, coisa que, sinceramente, eu sempre lembro de fazer sozinha e que os meus pais não se lembram de me ter ensinado. Depois, porque me parece que, excepção feita a actividades específicas em que desenvolvem algumas capacidades (como a ginástica acrobática, o ballet, as artes marciais), as nossas crianças, hoje em dia, pouco se desenvolvem como um todo e quase nada descobrem as coisas por si próprias.
Dei por mim a pensar que, quando eu tinha a idade das minhas filhas, depois da escola passava imenso tempo na rua a jogar à apanhada, a saltar à corda, aos elásticos, ao lencinho... e, em dias grandes como os desta época, depois de jantar lá voltávamos para a correria. Claro que aí até aos 6/7 também brincava com bonecas, às famílias. Mas, muitas vezes, também levava a tralha dos bonecos para a rua.
As minhas filhas, por seu lado, só brincam ao ar livre nos 15/30 minutos de recreio da escola ou nos dias em que, milagrosamente, não tendo milhentos trabalhos de casa, vamos até ao jardim com elas. Das outras vezes, quando não usam a informática nos tempos livres, sentam-se a ler ou acompanham-nos numa série.
Como elas, tantos outros da idade delas. Daí que não me espantem estas conclusões das provas de aferição.
Mas o mais dramático disto tudo é que, quando lhes dou liberdade, correm e brincam sem querer parar até à exaustão. E, certamente, acontecerá o mesmo com tantos outros da idade delas...





12 comentários

  1. As coisas estão tão diferentes, que é normal que isso se reflita nestes resultados

    ResponderEliminar
  2. As escolas que as minhas filhas frequentam/frequentaram dão muita atenção à Educação Física.
    Só lhe faz bem.
    Para preguiçoso já basta o pai.

    ResponderEliminar
  3. A atividade ao ar livre passou para segundo plano para a maioria das nossas crianças e nas escolas se os telemóveis não fossem para o recreio ... provavelmente ... aprender a saltar a corda entre outros ... seria um ato natural!!!
    bj

    ResponderEliminar
  4. Já somos duas a quem estes resultados nada espantam. Hoje em dia, os miúdos não saem para a rua para brincar. Os tempos são outros. Os perigos também. Crianças que vivem em apartamentos na cidade, a ideia que tenho (vivo numa aldeia) é que poucos espaços têm para dar azo à correria e brincadeira. As crianças de hoje são muito diferentes das crianças do meu tempo. E isso tanto tem o seu lado de bom, como de mau.

    ResponderEliminar
  5. Não podia estar mais de acordo com este post.
    Eu também na minha infância adorava brincar na rua (à macaca, ao elástico, ao ringue, ao molhinho, a saltar à corda, ...
    Hoje em dia muitas crianças nem sequer sabem brincar (e nem querem).

    ResponderEliminar
  6. A culpa também é um pouco nossa que lhes damos menos liberdade muito por causa dos perigos que ou não existiam antes ou não eram tão divulgados.
    Cabe-nos a nós principalmente ao fim de semana fazermos atividades em família fora de casa também.

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde minha querida! (Saudades)
    Concordo plenamente com tudo o que escreveste. Infelizmente, até as AEC'S foram retiradas, aqui. Ou seja, a Bia deixou de ter ginástica, etc, no fim de Janeiro, principio de Fevereiro ... E assim vai o País

    Beijos e um excelente dia.

    ResponderEliminar
  8. As coisas, hoje em dia, são bem diferentes!

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. É estranho e assustador como os tempos mudam tão rápido e como isso pode influenciar o futuro de tantos jovens... Beijinhos*

    ResponderEliminar
  10. Eu consigo perceber até porque ainda sou nova e terminei a minha escola há pouco tempo.
    Mas hoje em dia os professores de ginástica não transmitem confiança, para já porque são imensas crianças e não têm a paciência de estar junto de todas elas a ensinarem.
    Eu por exemplo não fazia cambalhotas sem ter o meu professor a olhar para mim e a ver se estou bem posicionada, e não me vou magoar.
    Mas acho que trata-se principalmente em não terem a paciência para ensinarem.

    ResponderEliminar
  11. AS crianças precisam de se mexer mais.
    Falo tudo para que os meus brinquem o mais possível à apanhada, às escondidas, andem de bicicleta, de patins, ou skate.
    Faz lhes tão bem!
    Ajuda o desenvolvimento motor, mas também sociais, pois estreita laços com os amigos.

    Movimento, precisa-se!

    beijinhos,
    Paula

    Vida de Mulher aos 40

    ResponderEliminar